O ciclo ágil de um dia… MundoJava no. 29

Um pouco atrasado mas vamos lá. Na edição “atual” da MundoJava (maio-junho) escreví sobre o ciclo ágil de um dia envolvendo as práticas do XP e da TDD. Parte deste artigo já está publicado aqui no blog no post “O Anti-Pattern Caso de Uso – UML – Codificação – Teste”.

[photopress:ciclos.gif,full,pp_image]

Neste artigo tivemos a participação do Carlos Vilella da ThoughtWorks. Segue um trecho muito interessante do texto dele.

“Tive a sorte de participar em um projeto aqui na ThoughtWorks onde todas as estórias eram analisadas por um analista de negócios extremamente competente, e um cliente que entendia mais do que eu poderia esperar sobre a operação e funcionamento da empresa. Em conjunto com os desenvolvedores e testadores, ditou-se no início do projeto que usaríamos testes de aceitação “executáveis” de forma a aumentar a produtividade. Fizemos isso juntando Fit, Fitnesse e Selenium, que ainda não são ferramentas perfeitas, mas que estão evoluindo bem.

Funciona assim: Matt, o analista de negócios, se reúne com Jane, representando o cliente, em uma sessão de uma ou duas horas por semana. Eles então descobrem tudo o que é importante ser feito na próxima iteração, e listam tudo que eles conseguem imaginar para cada estória ser considerada pronta.
Depois que essa reunião termina, Matt corre pra mesa do Richard, analista de testes, e eles passam algumas horas formatando tudo dentro do wiki do projeto. É aí que está a grande sacada: o wiki do projeto, rodando no Fitnesse, sabe entender os critérios de aceitação e rodá-los, efetivamente tornando-os casos de teste do mais alto nível possível.

Com estes casos de teste na mão, Richard corre pra minha mesa, me mostrando que nessa próxima estória em que eu vou trabalhar, existe uma validação de números de cartões de crédito da qual nunca havíamos precisado antes. Com essa informação em mãos, eu sei que preciso adicionar um pouquinho de código aos fixtures do Fit para que ele entenda como acessar a aplicação usando Selenium e manipular a parte que lida com os números de cartão de crédito. De dentro da minha IDE, eu não vejo muita diferença: é só código que lê um número e tenta entrá-lo numa caixa de texto. Para o cliente, é uma oportunidade de finalmente ver que o que ele ajudou a digitar num wiki está se tornando realidade, e é por isso que ele está investindo no software.”

Já nas bancas!!!!

About The Author

rodrigoy

Instrutor e Consultor Sênior - ASPERCOM

Deixe sua opinião!

1 Comment

Leave A Response

* Denotes Required Field