Definição de Pronto

Uma discussão surgiu na lista Scrum-Brasil… Muitas pessoas postaram coisas boas, mas em linha geral, achei que alguns conceitos estavam errados (e me preocuparam bastante). A discussão está aqui:

http://br.groups.yahoo.com/group/scrum-brasil/message/5618

Um dos maiores benefícios do Scrum é organizar o backlog nos seus itens e suas prioridades. O objetivo do Scrum é matar o backlog, ou ter o maior retorno possível com os itens do backlog que são implementados Sprint por Sprint, de maneira iterativa. Como falei no post anterior, o objetivo do Sprint é ter funcionalidades potencialmente implantáveis. Mais uma vez, esse é um conceito fundamental do Scrum que muitas vezes é esquecido, essencialmente porque isso é garantido por boas práticas de engenharia.

Definição de pronto é uma premissa que visa garantir que o que está sendo entregue REALMENTE atende as necessidades do projeto, do cliente ou do mercado, levando em consideração as limitações da tecnlogia. A Definição de Pronto tem relação com a qualidade, a manutenção futura do sistema e os objetivos do produto. Logicamente isso pode variar de projeto para projeto, mas não tem relação alguma com a maturidade da equipe. Se a equipe não consegue atender ao critério definido afrouxar o critério pode ter consequências desastrosas…

Vou dar um exemplo aqui de como ter uma má definição ou ter essa definição baseada nos skills da equipe pode ser ruim. Imagine que estou fazendo um produto de software para o mercado. Esse geralmente é o ambiente ISV que tenho trabalhado. Um software desses atende centenas de usuários, deve ter uma manutenção constante e barata, ter um deployment fácil, excelente usabilidade e farta documentação do usuário e sistema.

Se você quiser fazer um exercício, prezado ScrumMaster, peço que você escreva o que você acha que deve ser a definição de pronto deste produto antes de prosseguir a leitura do artigo.

Estamos iniciando o primeiro Sprint depois de uma concepção ágil e visamos nesse primeiro Sprint entregar as funcionalidades mais importantes para nossos usuários (e espero que vocês também estejam fazendo isso nos Scrums de vocês). Bem, vamos escrever uma definição de pronto baseada na maturidade comum das equipes que vemos por aí:

Definição de Pronto 1.0:
Testado no ambiente de homologação

Na primeira iteração a equipe está super contente com o resultado. Eles conseguiram “entregar” umas 5 ou 6 histórias. O Product Owner até esboçou um sorriso no Review e a moral da equipe está no alto (primeira entrega no Green Field sempre é assim).

Inicialmente essa definição de pronto parece ser boa. Há um sentimento de valor sendo entregue. Até a quinta iteração essa definição pareceu boa, porém, a equipe percebe que ela está cada vez mais devagar. Com as funcionalidades se acumulando está cada vez mais difícil executar os testes e refatorar o sistema para entrar os itens do backlog. A qualidade está decaindo rapidamente. Este cenário é bastante conhecido e bastante citado aqui no blog: A FALTA DE PRÁTICAS ÁGEIS DE ENGENHARIA como testes automatizados, integração contínua e etc…

Esse problema foi causado porque nossa definição de pronto era baseada na maturidade da equipe, e não nas necessidades do projeto. Nesse momento é necessário contratar treinamento, chamar uma consultoria para parear com os desenvolvedores, mudar o mind-set da equipe para orientá-la a testes, aprender novas tecnologias, trocar membros da equipe e etc… No entanto, o problema MAIOR é que temos 5 iterações já implementadas sem testes que se tornaram um péssimo legado. Tudo terá que ser revisado e muitas coisas reescritas na sexta iteração (e isso vai fazer mal para a moral da equipe, acredite). Bem, com tudo isso ajustado, mudamos a definição de pronto para a sexta iteração (que na verdade será uma refatoração gigante):

Definição de Pronto 1.1:
– Implementado com boas práticas de engenharia (ex. testes automatizados)
– Implantado no ambiente de homologação

Creio que o Product Owner e o bolso dele não ficaram muito feliz com esse fato. Houve uma ruptura na Value Chain (corrente de valor) e com isso, um sentimento de falha do próprio Scrum. Porém, com a definição ajustada as entregas das próximas iterações possuem uma qualidade e confiança muito maior. Não estamos mais perdendo tempo com testes que podem ser automatizados. Os processos de integração contínua estão mostrando falhas o mais rápido possível e o design está simplificado. Durante as iterações 6, 7 e 8 a definição de pronto 1.1 mostrou ser a ideal.

Até que no início da 9a. iteração (de umas 20 previstas) o Product Owner diz que quer colocar o produto no mercado em produção. Ele quer faturar com a solução, antecipando o ROI, afinal, é isso que o Scrum promete. Isso significa que após a décima iteração a equipe terá que lidar com mais práticas SCM, e não só isso, manuais de sistema devem ser elaborados para o pessoal de suporte, assim como manuais de usuário, help on-line, materiais de treinamento e etc…

Mais uma vez, vimos que a definição de pronto não foi suficiente para atender ao conceito de funcionalidade potencialmente implantável. Mais uma vez a equipe deverá parar totalmente para melhorar seu deployment, escrever manuais, fazer transições e etc… Mais uma vez a iteração 9 será um grande refactoring para atender a nova definição de pronto:

Definição de Pronto 1.2:
– Implementado com boas práticas de engenharia (ex. testes automatizados)
– Implantado no ambiente de produção
– “One-click deployable”
– Com documentação técnica e do usuário

Há uma grande correlação entre o conceito do Value Stream do Lean e a Definição de Pronto do Scrum, e esse exemplo que coloquei aqui demonstrou claramente que o processo de desenvolvimento dessa equipe não é fluído: foram necessárias “fases” de estabilização para se ter valor, se aproximando de um estilo Waterfall. É interessante notar que um sistema Kanban pode deixar a corrente de valor mais visível que uma definição de pronto. Ter uma telinha do sistema que entra e funciona sem dar pau é uma parte bem pequena de um produto de software: não só isso irá gerar ROI. Aquilo que sai da equipe deve ser um incremento completo e não só aquilo que é importante, ou visível.

Muito se fala em equipe multi-disciplinar. É comum achar que um arquiteto, um desenvolvedor e um tester fazem um Carnaval, porém, a característica multi-disciplinar da equipe deve corrobar com aquilo que essa equipe pretende entregar. O backlog nos fala o que deve ser entregue e a definição de pronto, ortogonalmente, nos fala exatamente os critérios dessa entrega. Nesse aspecto, os itens do backlog não tem só relacão com funcionalidades, mas sim, com VALOR.

Esta entrada foi publicada em agilidade, gestores, scrum. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

9 respostas a Definição de Pronto

  1. Rodrigo,

    Será que a equipe que passou por esse projeto onde a definição de pronto evoluiu não ficará mais madura para definir o pronto em projetos futuros?

    Sugeres começar qualquer projeto com uma definição de pronto no estilo da 1.2?

  2. Willian Leite disse:

    Muito bom post. Para quem esta querendo aprender Scrum com visões de “mundo real” realmente esse post ajuda a clarear muitas ideias!

    Parabéns!

  3. Edson de Lima disse:

    @André,
    Sei que a pergunta foi para o Rodrigo, mas, sim, com certeza a equipe amadureceu. Sim, ficará mais madura para outros projetos. Mas o que o Rodrigo quis mostrar é exatamente o perigo de confiar na maturidade da equipe como base para definição de pronto. O ponto focal, ao meu entender deve ser se isso trouxe real valor ao cliente. E real valor aqui tem muito a ver com o que o Rodrigo colocou, é um conjunto de práticas que faz com o que seja entregue esteja realmente “pronto”, sem algum tipo de problema mesmo que oculto, seja por falta de boas práticas de engenharia ou fatores não técnicos, como o exemplo dos manuais.

  4. @Edson Perfeito!

    @Willian Aqui na Aspercom temos experiência em Agile e Scrum. Não é só da boca para fora! Abraços e sucesso!

  5. Luciano Côrtes disse:

    Agredito que o conceito de pronto 1.2 seja o ideal, porém para chegar a esse ponto a equipe teria que ter passado por vários outros conceitos de pronto como (1.0 e 1.1). Gostei do artigo e vejo que a definição de pronto vai além do que eu imaginava.
    Parabéns Rodrigo.

  6. Amigos, o artigo está criticando uma definição de pronto frouxa. Seria correto ter a definição de pronto 1.2 desde o início e não passar por 1.0 e 1.1…. Que isso fique claro…

  7. Pingback: O melhor do Ensinar – 09/01 a 22/01 « Blog do Ensinar

  8. Pingback: O melhor da semana 17/01 a 23/01 « QualidadeBR

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>